Endereço

Av. Indianópolis, 1287 - Planalto Paulista
CEP 04063-002 - São Paulo - SP

Telefone

A rinite alérgica é uma doença atópica, ou seja, se caracteriza por uma inflamação da mucosa nasal de causa alérgica. Esta inflamação não costuma causar dor, mas sim sintomas como congestão nasal (nariz entupido), coceira no nariz, espirros, cefaleia (dor de cabeça), dor de garganta, entre outros.

Uma alergia é uma resposta exagerada do corpo contra algo que não é um agressor. Pode ser desencadeada por substâncias diferentes em cada pessoa, sendo as mais comuns pólens e ácaros. Ela acontece pela hipersensibilidade do sistema imunológico, que é o sistema de defesa do corpo humano.

A rinite faz parte das doenças alérgicas, assim como a asma ou o eczema atópico que, juntos, afetam cerca de 20% da população mundial, sendo a rinite alérgica a mais comum entre elas. Porém, para quem ainda tem dúvida, não é contagiosa.

Essas doenças alérgicas são consequências de uma predisposição genética do sistema imunológico. A rinite diagnosticada como sazonal é causada por alergia aos grãos de pólen. Já a rinite parental ocorre durante todo o ano, sendo associada à alergia aos ácaros, podendo ter início ainda na infância.

A alergia pode ser diagnosticada por meio de anamnese, ou seja, o histórico relatado pelo paciente, além de exames específicos e orientados pelo médico otorrinolaringologista. Entretanto, os sintomas apresentados e a observação das fossas nasais podem evidenciar o diagnóstico.

Pensando em mudanças de hábito que contribuam para driblar a rinite alérgica, algumas orientações são importantes, mas lembre-se: o médico especialista sempre deve ser consultado, pois cada pessoa possui suas particularidades orgânicas. Confira!

  • Recomendável residir em habitações com boa orientação solar, além de isotérmicas, secas e em zonas não poluídas.
  • Os colchões e almofadas devem ser antialérgicos.
  • Não usar cobertores e edredons de penas e peles de animais.
  • Fazer lavagens e limpezas do ambiente onde vive, estuda e trabalha com frequência.
  • Não utilizar produtos que contenham lixívia e tabaco.
  • Utilizar desumidificadores para controlar a umidade.
  • Utilizar purificadores de ar por filtragem.
  • Lavar e substituir os filtros de ar-condicionado com frequência.

Quando os sintomas são tratados corretamente, a rinite alérgica pode ser controlada. Portanto, o tratamento adequado a cada pessoa é fundamental, sendo recomendado o acompanhamento por um médico otorrinolaringologista.

COMPARTILHE:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Entenda a relação entre rinoplastia e autoestima